Capa

A surpresa do inverno

Opinião

08.07.2019  |  50 visualizações

Está chegando o inverno e a preocupação quando se fala em conforto térmico passa a ser como aquecer os ambientes. Muitos recorrem aos aquecedores elétricos esquecidos nos armários, outros recorrem aos fogões à lenha, lareiras, espiriteiras e etc. Na ânsia por resolver um problema as pessoas acabam se esquecendo de outro: o custo energético e a conservação de energia.

Sem delongas, conservar energia significa reduzir o consumo energético. Tratando-se de aquecimento, pode-se reduzir o consumo utilizando-se o rejeito de calor de outro processo, direcionando-o para as áreas que precisam ser aquecidas, como aqueles aquecedores de água dos fogões à lenha ou a água quente da caldeira de um hotel, que acaba aquecendo os ambientes também. No entanto, nem sempre isso é possível, principalmente quando se fala de uma residência que não foi preparada para ser energeticamente eficiente. É nessa hora que temos que recorrer ao uso de algum aparelho que tenha o aquecimento como função principal.

É aí que vem a surpresa...o mais eficiente energeticamente é o condicionador de ar! Por incrível que pareça a um leigo em termodinâmica, o condicionador de ar transfere o calor do ambiente externo, que está mais frio, para o ambiente interno, que está mais quente. E como a função do aparelho é transferir calor ao invés de gerar calor, como seria a função de um aquecedor elétrico, o aparelho condicionador de ar consegue transferir calor na ordem de três vezes a energia que ele consome para fazer isso.

Portanto, fazendo uma conta rápida, um condicionador de ar de 12.000 Btu/h, isto é, aquece o equivalente a 3516 W, consome cerca de 1000W para realizar a tarefa. Ou seja, consome menos do que um aquecedor elétrico que gera 1500 W de calor e que, obviamente, consome os mesmos 1500 W. Temos aproximadamente o dobro da capacidade de aquecimento, com dois terços do consumo energético. Na dúvida, consulte a etiqueta do seu aparelho, nela constam os dados de capacidade de aquecimento e potência elétrica.

Isso não quer dizer que esta é a maneira mais barata de se aquecer um ambiente, conforme comentado anteriormente, o ideal é recuperar de algum processo que esteja produzindo rejeito de calor. Algumas vezes a fonte de energia é tão barata que, um processo mesmo sendo mais ineficiente, continua sendo vantajoso em termos de custo.

Valem ainda dicas como abrir a casa para a entrada de ar quente e abrir as cortinas para a entrada de radiação solar e fechá-las antes de começar a esfriar. Melhorar as vedações de portas e janelas. Colocar cortinas nas janelas para evitar a circulação do ar frio por convecção natural nos cômodos. Este é um fenômeno particularmente interessante, quando está frio na face de uma janela, o ar esfria e se torna mais denso, deslocando-se em direção ao piso, formando uma corrente descendente de ar frio. Por esta razão, nas regiões frias as pessoas têm o costume de colocar os aquecedores logo abaixo das janelas.

Evidentemente o seu aparelho precisa ter a função aquecimento para isso e cada caso é um caso, sendo que cada um deve utilizar dos recursos que estão disponíveis da forma mais inteligente possível. Mas se você tem um condicionador de ar instalado e, ainda assim, prefere usar um aquecedor elétrico para se aquecer, está na hora de rever seus conceitos.

Engenheiro de Sistemas da Midea Carrier
Felipe Brochier