Capa

SPRS Press Releases

Leite materno: a primeira escolha para auxiliar na prevenção da alergia à proteína do leite de vaca

Opinião: Presidente da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul (SPRS) e gastroenterologista, Cristina Targa Ferreira

12.08.2019  |  330 visualizações

Temos acompanhado um aumento mundial das alergias alimentares nas últimas duas décadas. As alergias alimentares podem ser definidas como reações adversas, reprodutíveis, que ocorrem devido a uma reação imunologicamente mediada a um componente alimentar (em geral, uma proteína). A alergia mais comum nos primeiros anos de vida é a alergia à proteína do leite de vaca (APLV).

As alergias alimentares apresentam um impacto muito significativo na qualidade de vida dos pacientes e de suas famílias, que parece ser mais importante do que o impacto causado pelas doenças crônicas, como diabetes. As Alergias Alimentares são divididas em imediatas ou IgE-mediadas e não-IgE mediadas ou tardias, de acordo com as manifestações e com o tempo que ocorrem após o contato com o antígeno. As alergias não-IgE mediadas leves e moderadas são as mais comuns nos consultórios e podem apresentar sintomas muito variáveis, desde sintomas inespecíficos como choro, irritabilidade, agitação; sintomas mais claramente relacionados à APLV como sangue nas fezes e sintomas mais importantes como perda de peso e diarreia e má absorção.

O diagnóstico dessas alergias requer um período de exclusão da proteína do leite de vaca e o posterior desencadeamento, com o retorno dos sintomas inicias. A sequência dieta de eliminação-reintrodução, com reaparecimento dos sintomas, é o único caminho para se fazer o diagnóstico das APLV não-IgE mediadas, leves e moderadas, já que os testes de pele ou séricos de IgE não são úteis nesses casos. O tratamento requer a dieta de exclusão de leite de vaca e derivados para as mães que amamentam ou fórmulas especiais para os lactentes que, por algum motivo deixaram de ser amamentados.

O leite materno, até o momento, é o melhor para auxiliar na prevenção da APLV e na aquisição de tolerância, devendo ser sempre a primeira escolha. Nos lactentes que não são amamentados, as fórmulas extensamente hidrolisadas de proteínas do leite de vaca são a a primeira escolha de tratamento, na maioria dos casos e em todos consensos mundiais. As fórmulas de aminoácidos são usadas nos casos mais graves. Os pacientes que estão em tratamento para APLV necessitam suporte dietético, não só para assegurar a dieta correta, mas também para acompanhar os aspectos nutricionais e de crescimento do paciente, assim como possíveis problemas alimentares presentes e futuros.

Por isso, as fórmulas prescritas devem apresentar boa tolerabilidade, aceitação e palatabilidade. É necessária muita atenção no uso de preparados inadequados para crianças, como bebidas lácteas não indicadas para lactentes e crianças , como leite de arroz, leite de cabra e leite de amêndoas.

Cristina Targa Ferreira

Presidente da SPRS, gastroenterologista, Cristina Targa Ferreira

  • Presidente da SPRS, Cristina Targa Ferreira
    (Marcelo Matusiak)

Leia também...

18.11.2019

Passo Fundo recebe simpósio gaúcho de alergia pediátrica

VIII Alergoped Gaúcho ocorre nos dias 22 e 23 de novembro de 2019

14.11.2019

Avança na Assembleia andamento de projeto para proteger crianças do uso excessivo de telas

Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul fez a entrega de um abaixo-assinado pedindo apoio a projeto que estabelece normas para alertar ao risco dos equipamentos eletrônicos

12.11.2019

Abaixo assinado pede legislação sobre uso excessivo de telas na infância

Iniciativa da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul (SPRS) será tema de encontro na Assembleia Legislativa gaúcha

11.11.2019

Noite de reconhecimento aos médicos pediatras gaúchos

Evento promovido pela Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul, Pediatras Destaque 2019 valorizou e homenageou os profissionais que cuidam da saúde das crianças

Entre em contato