Capa

SPRS Press Releases

Leite materno: a primeira escolha para auxiliar na prevenção da alergia à proteína do leite de vaca

Opinião: Presidente da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul (SPRS) e gastroenterologista, Cristina Targa Ferreira

12.08.2019  |  217 visualizações

Temos acompanhado um aumento mundial das alergias alimentares nas últimas duas décadas. As alergias alimentares podem ser definidas como reações adversas, reprodutíveis, que ocorrem devido a uma reação imunologicamente mediada a um componente alimentar (em geral, uma proteína). A alergia mais comum nos primeiros anos de vida é a alergia à proteína do leite de vaca (APLV).

As alergias alimentares apresentam um impacto muito significativo na qualidade de vida dos pacientes e de suas famílias, que parece ser mais importante do que o impacto causado pelas doenças crônicas, como diabetes. As Alergias Alimentares são divididas em imediatas ou IgE-mediadas e não-IgE mediadas ou tardias, de acordo com as manifestações e com o tempo que ocorrem após o contato com o antígeno. As alergias não-IgE mediadas leves e moderadas são as mais comuns nos consultórios e podem apresentar sintomas muito variáveis, desde sintomas inespecíficos como choro, irritabilidade, agitação; sintomas mais claramente relacionados à APLV como sangue nas fezes e sintomas mais importantes como perda de peso e diarreia e má absorção.

O diagnóstico dessas alergias requer um período de exclusão da proteína do leite de vaca e o posterior desencadeamento, com o retorno dos sintomas inicias. A sequência dieta de eliminação-reintrodução, com reaparecimento dos sintomas, é o único caminho para se fazer o diagnóstico das APLV não-IgE mediadas, leves e moderadas, já que os testes de pele ou séricos de IgE não são úteis nesses casos. O tratamento requer a dieta de exclusão de leite de vaca e derivados para as mães que amamentam ou fórmulas especiais para os lactentes que, por algum motivo deixaram de ser amamentados.

O leite materno, até o momento, é o melhor para auxiliar na prevenção da APLV e na aquisição de tolerância, devendo ser sempre a primeira escolha. Nos lactentes que não são amamentados, as fórmulas extensamente hidrolisadas de proteínas do leite de vaca são a a primeira escolha de tratamento, na maioria dos casos e em todos consensos mundiais. As fórmulas de aminoácidos são usadas nos casos mais graves. Os pacientes que estão em tratamento para APLV necessitam suporte dietético, não só para assegurar a dieta correta, mas também para acompanhar os aspectos nutricionais e de crescimento do paciente, assim como possíveis problemas alimentares presentes e futuros.

Por isso, as fórmulas prescritas devem apresentar boa tolerabilidade, aceitação e palatabilidade. É necessária muita atenção no uso de preparados inadequados para crianças, como bebidas lácteas não indicadas para lactentes e crianças , como leite de arroz, leite de cabra e leite de amêndoas.

Cristina Targa Ferreira

Presidente da SPRS, gastroenterologista, Cristina Targa Ferreira

  • Presidente da SPRS, Cristina Targa Ferreira
    (Marcelo Matusiak)

Leia também...

09.08.2019
Diminuição dos estoques de vacina BCG preocupa pediatras

Importante para prevenção de formas graves em crianças a vacina BCG deve ser aplicada a partir do nascimento durante os primeiros dias de vida

02.08.2019

Agosto Dourado incentiva campanhas em prol da amamentação

Leite humano é o único alimento capaz de oferecer todos os nutrientes na quantidade exata de que a criança precisa

31.07.2019

Alergia a proteína do leite: o que fazer?

Manifestação acontece, principalmente, nos primeiros anos de vida da crianças

24.07.2019

Férias com alimentação saudável para as crianças

Ideias criativas podem ser adotadas com os pequenos para incentivar o consumo de frutas, verduras e legumes

Entre em contato