Capa

Lançada campanha para prevenção ao uso de álcool na gestação

Iniciativa conta com participação da Sociedade Brasileira de Genética Médica e Genômica (SBGM)

12.09.2019  |  219 visualizações

Quando uma mulher grávida bebe, o bebê também bebe. Reconhecendo o consumo de álcool na gestação como um problema de saúde pública, a Organização Mundial de Saúde instituiu o dia 9 de setembro como o Dia Internacional de alerta sobre os Transtornos do Espectro Alcoólico Fetal. Desde então, aproximadamente 60 organizações de 30 países diferentes se uniram para promover a campanha “Too Young to Drink” (Jovem demais para beber). O objetivo é conscientizar sobre os efeitos deletérios do álcool durante a gravidez.

- O álcool afeta o desenvolvimento do feto, especialmente do cérebro. A Síndrome Alcoólica Fetal (popularmente conhecida como SAF) geralmente cursa com baixo peso e baixa estatura e com microcefalia (redução do perímetro cefálico) ao nascimento, além de uma série de outras alterações, tais como: anormalidades craniofaciais, alterações cognitivas e comportamentais, malformações no sistema nervoso central, baixa estatura, dentre outras alterações, principalmente cardíacas, oculares, renais e de coluna vertebral. O termo “transtornos do espectro alcoólico fetal” se refere a situação de crianças expostas ao álcool intraútero, que não possuem as malformações da síndrome alcoólica fetal, mas apresentam alterações cognitivas e comportamentais: na infância é comum hiperatividade e dificuldades de aprendizagem na escola; na adolescência e fase adulta, há abandono escolar, dificuldades para manutenção de emprego e comportamento agressivo. Uma pessoa com transtornos do espectro alcoólico fetal enfrenta desafios ao longo de toda sua vida – explica a diretora da Sociedade Brasileira de Genética Médica e Genômica (SBGM), Débora Gusmão Melo.

Outro alerta é que todos os tipos de bebida alcoólica são prejudiciais para o desenvolvimento do feto. Vinho, cerveja, licor, aperitivos, coquetéis de frutas, destilados como rum ou uísque ou vodka podem prejudicar o bebê. Não há nenhuma quantidade segura de álcool ou época segura para beber durante a gravidez ou quando se está planejando engravidar. Mesmo uma pequena quantidade de álcool pode ser prejudicial. Por isso, é mais seguro não beber nada durante a gravidez.

- A gente conhece pessoas que beberam e tiveram filhos saudáveis, mas cada gravidez, cada filho e cada mãe são diferentes. É melhor não correr o risco de prejudicar a criança. Se você está grávida e já bebeu, lembre-se que nunca é tarde demais para parar de beber. Se você parar agora, seu bebê será mais saudável – completa a médica.

Na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), a Liga Interdisciplinar de Genética Médica promove a campanha pública de alerta sobre o problema nos dias 9, 10 e 11 de setembro. Outras informações podem ser conferidas na página facebook.com/tooyoungtodrink.

Redação: Marcelo Matusiak

Coordenação: Marcelo Matusiak

  • Alerta sobre o risco da combinação álcool e gravidez
    (Divulgação)

  • Peças da campanha
    (Divulgação)

Leia também...

19.09.2019

Profissionais gaúchas recebem placa de Especialista em Genética Médica

Entregue pela Sociedade Brasileira de Genética Médica e Genômica (SBGM), distinção é sinônimo de saúde e segurança para o paciente

17.09.2019

Ensino em genética para profissionais de saúde é debatido no Senado Federal

Tema esteve presente em Audiência Pública da Subcomissão Permanente de Assuntos Sociais das Pessoas com Deficiência

11.09.2019

Frente Parlamentar no RS vai atuar em Defesa das Pessoas com Doenças Raras

Sociedade Brasileira de Genética Médica e Genômica (SBGM) integra o grupo que pretende debater iniciativas de suporte às famílias

10.09.2019

Novas tecnologias são tema de encontro de estudantes da graduação, residentes e jovens geneticistas

E-GENE acontece no dia 28 de setembro no auditório do NTO GeneOne, em São Paulo

Entre em contato