Capa

SPRS Press Releases

Pediatras reforçam importância da vacinação contra o sarampo

Campanha tem início na segunda-feira (07/10)

07.10.2019  |  428 visualizações

A primeira etapa da campanha será de 7 a 25 deste mês, com o Dia D em 19 de outubro. O primeiro alvo da Campanha Nacional contra o Sarampo será crianças de seis meses a cinco anos incompletos. O grupo é considerado o mais suscetível para complicações do sarampo. Dos quatro óbitos registrados este ano, três foram em crianças menores de 1 ano. Nessa faixa etária, 1,8 milhão estão desprotegidas.

- A Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul (SPRS) reforça a importância de orientar os pais que levem os filhos para a imunização, uma vez que a vacina é a mais efetiva forma de prevenção. - afirma o diretor da SPRS, Benjamin Roitman.

Em novembro, será a vez de atualizar a carteira de vacinação dos jovens entre 20 a 29 anos. Isso porque o Brasil voltou a registrar casos da doença e perdeu o Certificado de Eliminação do Sarampo, concedido ao país em 2016 pela Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS).

A Secretaria Estadual de Saúde confirmou mais quatro casos de sarampo no Rio Grande do Sul. Com isso, o estado chega a 13 pacientes diagnosticados com a doença neste ano.

Para garantir doses suficientes, o Ministério da Saúde anunciou a compra extra de 47 milhões de unidades da tríplice viral – que protege contra sarampo, caxumba e rubéola. Com isso, 60 milhões de doses serão distribuídas pelo governo federal neste ano. Para 2020, a previsão é enviar aos estados e municípios mais 65 milhões de vacinas deste tipo.

Sintomas:

Qualquer indivíduo que apresentar febre e manchas no corpo acompanhado de tosse, coriza ou conjuntivite deve procurar os serviços de saúde para a investigação diagnóstica, principalmente aqueles que estiveram recentemente em locais com circulação do vírus. Casos suspeitos devem ser informados imediatamente às Secretarias Municipais de Saúde ou para o Disque Vigilância, através do número 150.

Fique atento

- Em 2019, por tempo indeterminado, o Ministério da Saúde determinou a chamada dose zero – fora da rotina - para crianças entre seis meses e menos de um ano. O intervalo mínimo entre a dose zero e a 1ª dose (aos 12 meses) deve ser de 30 dias;

- Cinco anos a nove anos não vacinadas anteriormente: Vacina Tríplice Viral - duas doses com intervalo de um mês entre as doses;

- 10 a 29 anos - Vacina Tríplice Viral - duas doses;

- 30 a 49 anos - Vacina Tríplice Viral - uma dose;

- Profissionais da saúde, independentemente da idade - Vacina Tríplice Viral - duas doses

Redação: Marcelo Matusiak

Coordenação: Marcelo Matusiak

  • Benjamin Roitman
    (Marcelo Matusiak)

Leia também...

12.05.2020

Pediatras recomendam cautela com as guloseimas e doces para as crianças

O cenário de distanciamento social e confinamento nos lares tornou mais desafiador o controle por parte dos pais, mas o cuidado deve ser mantido

28.04.2020

O que colocar no prato das crianças

Alimentação saudável no período de quarentena pode ajudar pais e filhos

22.04.2020

Como administrar o convívio de filhos com pais separados em meio a pandemia

Diálogo e foco no bem-estar da criança devem ser prioridades neste momento segundo a Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul (SPRS)

02.04.2020

Como lidar com a saúde mental das crianças e dos adultos no isolamento social

Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul (SPRS) recomenda transparência com os filhos, zelo e muito otimismo para enfrentar a pandemia

Entre em contato