Capa

Uso excessivo de telas na infância preocupa médicos

Especial

08.11.2019  |  110 visualizações

Um problema de saúde pública e que afeta as crianças não somente hoje, mas no futuro: o uso excessivo de telas. A presidente da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul (SPRS), Cristina Targa Ferreira, considera um problema sério levando a doenças crônicas não-transmissíveis do adulto como obesidade, hipertensão e doenças cardiovasculares.

“As crianças de hoje dormem menos e muito mal. O sono é prejudicado pelas mídias eletrônicas e isso interfere em vários aspectos da saúde como a obesidade e déficit de atenção, além de provocarem impactos no rendimento escolar, por exemplo”, afirmou.

A pediatra Susana Estefenon ressalta que a medida vai ao encontro da preocupação de pais, professores e toda a comunidade médica que vê a dificuldade de impor regras e estabelecer o bom uso. É preciso saber como agir diante dessa nova forma de se viver, segundo a médica.

“A tecnologia é o meio ambiente que estamos crescendo e se desenvolvendo. Então, é algo que nós, como pediatras, temos que nos posicionarmos para ajudar a todos a lidarem da maneira mais saudável e construtiva possível. A tecnologia tem impactos enormes tanto no positivo como no negativo. Há riscos na saúde física, mental e no âmbito social. O que nos preocupa mais é o uso abaixo dos dois anos por causa do impacto já demonstrado pela neurociência no desenvolvimento do cérebro. As horas em frente às telas não permitem que a criança faça uma atividade esportiva ou física elevando o risco de obesidade. Além disso, na saúde mental, nos preocupa a depressão, solidão e isolamento. Falta o relacionamento cara a cara e até mesmo o relacionamento intra-familiar”, alertou a médica.

Projeto de Lei

O tema ganhou relevância ainda maior com a apresentação formal de um Projeto de Lei protocolado na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul. A proposta foi idealizada pela Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul, através do deputado Pedro Ozorio Pereira. O objetivo é que assim como a indústria do cigarro passou a ser obrigada a alertar sobre os riscos do tabagismo com dizeres nas embalagens, fabricantes de celular possam, em breve, ter a obrigação de dispor de um alerta nos seus equipamentos. A intenção é informar os males que o uso excessivo de telefones celulares, televisão e tablets causam no desenvolvimento da criança.

“A tecnologia é fantástica, mas precisa ser usada com moderação. As crianças estão tendo problemas sérios de saúde, visuais e posturais por conta do uso muito intenso e de forma precoce. A gente não quer proibir, mas que as crianças e pais usem com moderação. Por isso que o projeto estabelece a obrigatoriedade de uma etiqueta orientando sobre os riscos. O objetivo é educar e orientar”, afirmou o parlamentar.

O tema foi um dos destaques na programação do 39o Congresso Brasileiro de Pediatria que aconteceu no Centro de Eventos da FIERGS, em Porto Alegre (RS), em outubro. O evento foi uma realização da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul (SPRS).

Justificativa

Os benefícios e prejuízos das tecnologias é um foco de atenção de todos os profissionais que lidam com as questões da saúde durante a infância e a adolescência. Estudos científicos comprovam que a tecnologia influencia comportamentos através do mundo digital, modificando hábitos na infância que podem causar prejuízos e danos à saúde física e mental dos jovens, com impacto em diversos aspectos.

A neurociência comprovou, através de exames de Ressonância Magnética, que o uso excessivo de telas prejudica o desenvolvimento cerebral das crianças. Por isso, elas não devem ser expostas de forma precoce a dispositivos eletrônicos.

Por outro lado, o celular tornou-se uma alternativa fácil aos pais, já que poupa o esforço que eles fariam com brincadeiras ou contando histórias, por exemplo. Tendo acesso a vídeos, cores e canções que ajudam na distração das crianças, os responsáveis passaram a usar esse artifício desde muito cedo, em bebês de poucos meses, o que prejudica o período da aquisição da linguagem e da estrutura psíquico-social, que ocorre principalmente nos dois primeiros anos de vida. É claro que é necessário conviver com os avanços da tecnologia e saber tirar proveito deles, mas não se pode esquecer que, durante o processo de formação da criança, é muito importante que ela receba estímulos através de canções de ninar, histórias contadas pelos pais e brincadeiras que gerem algum tipo de interação, pois é essa troca de estímulos que vai fazer com que o seu desenvolvimento seja saudável.

É comprovado que o uso excessivo de dispositivos eletrônicos prejudica a qualidade do sono: crianças e adolescentes que ficam muito tempo conectados dormem menos e dormem mal. O contato com as telas dentro de uma ou duas horas antes de dormir induz à insônia e à dificuldade de iniciar o sono, isso é decorrente do alto estímulo visual que a luz azul provoca. A baixa qualidade do sono, por sua vez, provoca outros problemas de saúde, como a obesidade, alterações de humor (ansiedade e depressão), déficit de atenção e diminuição do rendimento escolar.

O tempo que jovens e crianças dedicam às telas suprime o tempo que eles poderiam ter dedicado a atividades lúdicas, esportivas e de interação com outras pessoas. Isso é um fator que provoca o sedentarismo, que, junto à obesidade, contribui para o surgimento de futuras doenças cardiovasculares e diabetes.

Evidências científicas mostram que o tempo de conexão excessivo das crianças e da família afetam a convivência, o diálogo e as suas relações interpessoais, alterando a qualidade do vínculo e a dinâmica familiar - pontos que são muito importantes para o desenvolvimento saudável de uma criança. Inclusive existem pesquisas em que crianças afirmaram achar que os pais preferem o celular a elas, causando um sentimento de carência e exclusão por serem deixadas de lado.

Além de todos os danos que os dispositivos eletrônicos podem causar à saúde, existem também os impactos causados pelos conteúdos das mídias. Alguns conteúdos mais violentos podem estimular condutas agressivas, antissociais e autolesivas. Também existem evidências científicas sobre a relação do uso excessivo de redes sociais com depressão e problemas de autoestima.

Portanto, é muito importante que os pais saibam dos impactos que o uso excessivo de dispositivos eletrônicos tem no desenvolvimento das crianças e, a partir disso, possam controlar da melhor forma o tempo que seus filhos ficam conectados às telas.

Helena Muller

Cristina Targa Ferreira

Sergio Amantea

Diretoria SPRS

Redação: Marcelo Matusiak

Coordenação: Marcelo Matusiak

  • Apresentação de Projeto de Lei
    (Marcelo Matusiak)

  • Deputado com diretoria da SPRS
    (Marcelo Matusiak)

  • Tema foi apresentado no Congresso Brasileiro de Pediatria
    (Marcelo Matusiak)

  • Presidente da Sociedade de Pediatria do RS, Cristina Targa Ferreira
    (Marcelo Matusiak)

  • Etiqueta
    (Agência Paim)

Leia também...

05.12.2019
Um ano de conquistas

Editorial

04.12.2019

Medicina com foco nas pessoas

Vida de Médico - Eduardo Neubarth Trindade

01.12.2019

AMRIGS participa de 26ª Jornada da SOGAMT

AMRIGS em Ação

01.12.2019

Comissão Especial do Câncer Infantil e Adolescente debate atendimento em oncologia pediátrica no RS

AMRIGS em Ação

Entre em contato