Capa

Tributação dos descontos concedidos em parcelamentos especiais é inconstitucional

Advogado tributário alerta para ilegalidade dessa cobrança

18.11.2019  |  164 visualizações

Nos últimos anos, a Secretaria da Receita Federal do Brasil (SRF) vem exigindo  Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ), Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), PIS e COFINS sobre os descontos concedidos em parcelamentos especiais. Segundo a Receita, as reduções dos juros, multa e encargos legais concedidas devem ser entendidas como perdão de dívida, representando acréscimo patrimonial para o contribuinte. Porém o alerta do advogado, doutor em Direito Tributário e Professor Universitário, Atílio Dengo, é de que algumas decisões têm reconhecido a ilegalidade dessa cobrança.

- A pretensão da SRFB foi construída com base em critérios contábeis. Entretanto, os conceitos de lucro e receita, para fins tributários, são de natureza jurídica e é com esta perspectiva que eles devem ser interpretados. A posição da SRFB não guarda conformidade com a CF/88 e equivale a uma tentativa de alargar o alcance das regras de competência previstas nos artigos 153, III e 195, inciso I, letras “b” e “c”, da CF/88 – alerta.

A recente posição do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (CARF) trouxe o seguinte entendimento:

“O conceito contábil de receita, para fins de demonstração de resultados, não se confunde com o conceito jurídico, para fins de apuração das contribuições sociais. Na esteira da jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, receita bruta pode ser definida como o ingresso financeiro que se integra no patrimônio na condição de elemento novo e positivo, sem reservas ou condições. A mera redução de passivo, conquanto seja relevante para apuração de variação do patrimônio líquido, não se caracteriza como receita tributável pelo PIS e Cofins, por não se tratar de ingresso financeiro.”CARF/3ª Seção de Julgamento / 3ª Câmara / 1ª Turma Ordinária. Sessão de 22 de agosto de 2019

Redação: Marcelo Matusiak
Coordenação: Marcelo Matusiak

  • Atílio Dengo
    (Divulgação)

Leia também...

03.12.2019

Medida Provisória nº 905 altera regras para participação nos lucros e pagamento de prêmios

Se aprovada, medida altera diversos pontos da legislação trabalhista

27.11.2019

ICMS/RS: entenda as vantagens do "REFAZ 2019"

Artigo de Opinião: Rafael Paiani, advogado, especialista em Direito Tributário e sócio do escritório Atílio Dengo Advogados Associados

25.11.2019

Empresas de Gravataí podem ser beneficiadas com decisão do STJ sobre exportação

Decisão do Superior Tribunal de Justiça auxilia empresas que comercializam para fora do Brasil

14.11.2019

Medida Provisória para regulamentar dívidas deixa pontos controversos

Programa estimula regularização e resolução de conflitos fiscais entre a Administração Tributária Federal e os contribuintes com débitos junto à União mas carece de melhorias

Entre em contato