Capa

Atílio Dengo Advogados

Tributação dos descontos concedidos em parcelamentos especiais é inconstitucional

Advogado tributário alerta para ilegalidade dessa cobrança

18.11.2019  |  267 visualizações

Nos últimos anos, a Secretaria da Receita Federal do Brasil (SRF) vem exigindo  Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ), Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), PIS e COFINS sobre os descontos concedidos em parcelamentos especiais. Segundo a Receita, as reduções dos juros, multa e encargos legais concedidas devem ser entendidas como perdão de dívida, representando acréscimo patrimonial para o contribuinte. Porém o alerta do advogado, doutor em Direito Tributário e Professor Universitário, Atílio Dengo, é de que algumas decisões têm reconhecido a ilegalidade dessa cobrança.

- A pretensão da SRFB foi construída com base em critérios contábeis. Entretanto, os conceitos de lucro e receita, para fins tributários, são de natureza jurídica e é com esta perspectiva que eles devem ser interpretados. A posição da SRFB não guarda conformidade com a CF/88 e equivale a uma tentativa de alargar o alcance das regras de competência previstas nos artigos 153, III e 195, inciso I, letras “b” e “c”, da CF/88 – alerta.

A recente posição do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (CARF) trouxe o seguinte entendimento:

“O conceito contábil de receita, para fins de demonstração de resultados, não se confunde com o conceito jurídico, para fins de apuração das contribuições sociais. Na esteira da jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, receita bruta pode ser definida como o ingresso financeiro que se integra no patrimônio na condição de elemento novo e positivo, sem reservas ou condições. A mera redução de passivo, conquanto seja relevante para apuração de variação do patrimônio líquido, não se caracteriza como receita tributável pelo PIS e Cofins, por não se tratar de ingresso financeiro.”CARF/3ª Seção de Julgamento / 3ª Câmara / 1ª Turma Ordinária. Sessão de 22 de agosto de 2019

Redação: Marcelo Matusiak
Coordenação: Marcelo Matusiak

  • Atílio Dengo
    (Divulgação)

Leia também...

29.06.2020

Empresas poderão seguir nova regra para pagamento de dívidas tributárias em tempos de crise

Objetivo é facilitar a quitação de débitos já inscritos em Dívida Ativa da União

22.06.2020

Incidência do IRPJ e da CSLL em relação aos créditos tributários reconhecidos judicialmente

Em virtude da tese firmada pelo STF de excluir o ICMS da base de cálculo do PIS e da COFINS (RE 574.706), inúmeras demandas judiciais individuais obtiveram sentenças transitadas em julgado

16.06.2020

A tributação dos ganhos obtidos em fundos de investimento

Atílio Dengo, Advogado, Doutor em Direito Tributário, professor universitário e sócio do escritório Atílio Dengo Advogados Associados

05.06.2020

A contribuição previdenciária e a remuneração dos trabalhadores durante a pandemia

Atílio Dengo, Advogado, Doutor em Direito Tributário, professor universitário e sócio do escritório Atílio Dengo Advogados Associados

Entre em contato