Capa

AMRIGS Press Releases

AMRIGS critica flexibilização do Revalida

Principal impacto é a possibilidade de empresas privadas aplicarem o teste

05.12.2019  |  261 visualizações

As mudanças no processo de revalidação de diplomas médicos expedidos no exterior foram recebidas com preocupação pela Associação Médica do Rio Grande do Sul (AMRIGS). Para o presidente da entidade, Alfredo Floro Cantalice Neto, o temor é que o processo seja transformado em um verdadeiro balcão de negócios, sem a devida preocupação com a qualidade da formação profissional. A AMRIGS integra o grupo de entidades representativas que defendem um processo mais rigoroso e legal para a expedição de diplomas da área.

As novas regras do Revalida foram aprovadas na última semana pela Câmara dos Deputados, no Projeto de Lei 4.067 de 2015. O substitutivo do deputado e ex-ministro da Saúde Ricardo Barros (PP-PR) abriu a aplicação do teste às universidades privadas. Até então, apenas instituições de ensino públicas podiam fazer o exame. A AMRIGS solidariza-se com a visão da Associação Médica Brasileira. Para a entidade nacional, qualquer tipo de “facilitação” no Revalida atingirá em cheio a credibilidade do exame e permitirá que médicos sem o devido preparo técnico possam atender a população. “Revalida Light” é um desserviço e um risco aos pacientes, além de representar um desperdício dos recursos públicos, pois médicos malformados geram mais custos e sobrecarregam o sistema como um todo.

Redação: Marcelo Matusiak
Coordenação: Marcelo Matusiak

  • Alfredo Floro Cantalice Neto
    (Marcelo Matusiak)

Leia também...

20.01.2020

Cuidado com desidratação em idosos deve ser redobrado

Alerta é da Associação Médica do Rio Grande do Sul (AMRIGS)

13.01.2020

O que fazer para não quebrar a famosa promessa de emagrecer no ano novo

Orientação profissional e disciplina são elementos fundamentais para que a busca de uma vida mais saudável não seja frustrada

10.01.2020
Associação Médica do Rio Grande do Sul repudia agressão a médica ocorrida na Fronteira

Caso aconteceu na cidade de Quaraí, localizada na fronteira com o Uruguai, no dia 6 de janeiro

06.01.2020

Suando a camisa

Artigo de Opinião: Médico do esporte, associado da AMRIGS, Cláudio Machado da Silveira

Entre em contato