Capa

Atílio Dengo Advogados

Transação Tributária por Adesão

Artigo de Opinião: Atílio Dengo, Advogado, Doutor em Direito Tributário, professor universitário e sócio do escritório Atílio Dengo Advogados Associados

27.12.2019  |  229 visualizações

 A Transação Tributária é uma medida que concede descontos para o pagamento ou parcelamento de débitos tributários inscritos em dívida pública. As normas que regem a transação individual foram inseridas pela Portaria PGFN n° 11.956/19. Segundo este ato administrativo, a transação individual pode ser proposta em quatro situações: 1º) Quando o devedor possuir débitos inscritos em dívida ativa em valor consolidado superior a R$ 15.000.000,00; 2º) Quando o devedor possuir débitos consolidados em valor inferior a R$ 15.000.000,00, a transação poderá ser proposta desde que os débitos sejam superiores a R$ 1.000.000,00 e estejam suspensos por decisão judicial ou garantidos mediante penhora, seguro ou carta fiança ou 3º) Quando o devedor se encontrar em processo de falência, recuperação judicial, recuperação extrajudicial, intervenção ou processo de liquidação, e; 4º) Quando o devedor for Estado, Distrito Federal, Município ou suas entidades de direito público da administração indireta.

Apesar de haver benefícios, é preciso cautela uma vez que a inovação confere um tratamento mais gravoso aos que devem quantias menores. A proposta de transação é livre para os contribuintes com débitos acima de quinze milhões; mas, no caso de débitos com valor inferior, o contribuinte só poderá transacionar se oferecer garantia da execução. Quando a proposta de transação for de iniciativa do contribuinte, este deverá apresentar um plano de recuperação fiscal, o qual deverá descrever os meios que serão utilizados para a extinção do débito fiscal, acompanhado de uma descrição completa da sua situação patrimonial, incluindo demonstrações contábeis dos últimos três anos, extratos bancários e uma série de outros documentos e declarações. Se a transação for aceita, o contribuinte deverá assumir as obrigações descritas nos artigos 5º a 8º da Portaria, dentre as quais estão o compromisso de manter regularidade para com o FGTS e os tributos federais.

Atílio Dengo, Advogado, Doutor em Direito Tributário, professor universitário e sócio do escritório Atílio Dengo Advogados Associados.

  • Atílio Dengo
    (Divulgação)

Leia também...

24.02.2020

Saiba quais os direitos do trabalhador que atua em exposição ao sol

Mesmo não sendo considerado insalubre, crescem as condenações ao pagamento de indenização por doença de pele relacionada ao trabalho em razão da exposição ao sol, sendo o filtro solar a medida preventiva mais eficaz

17.02.2020

ICMS-ST gera créditos de PIS/COFINS

Opinião: Advogado especialista em Direito Tributário e sócio do escritório Atílio Dengo Advogados, Lucas Ferreira

13.02.2020

Tributação dos rendimentos em aplicações financeiras pode ser questionada na Justiça

Correção monetária não pode ser tributada pelo IRPJ e pela CSLL

07.02.2020

Não pagamento de ICMS é crime doloso ou não?

Artigo de Opinião: advogado, especialista em Direito Tributário e sócio do escritório Atílio Dengo Advogados Associados, Rafael Paiani

Entre em contato