Capa

SBD-RS Press Releases

Queimaduras por águas-vivas assustam veranistas nos primeiros dias de praia do verão

Dermatologistas orientam como proceder nos casos de queimaduras de águas-vivas no litoral

25.12.2019  |  389 visualizações

O verão recém começou e as queimaduras com águas-vivas no litoral encheram os veranistas de preocupação. De sábado até ontem, 1.401 pessoas sofreram queimaduras por contato com os animais marinhos no Litoral gaúcho, segundo o Corpo de Bombeiros Militar do RS (CBMRS).

O alerta da Sociedade Brasileira de Dermatologia - Secção Rio Grande do Sul (SBD-RS), é para que sejam observados cuidados após queimadura por água viva ou mãe d’água. O contato dos tentáculos das águas-vivas com a pele causa dor e ardência na região atingida, sendo mais intenso e duradouro conforme a quantidade de tentáculos envolvidos e a espécie do animal. As águas-vivas que causam sintomas maiores, como circulatórios e neurológicos, não existem no Brasil.

- Uma recente revisão da literatura médica sobre o assunto mostra que a primeira medida a ser tomada é a limpeza da região atingida com água do mar, pois a água doce pode agravar a lesão. A água do mar, quando aplicada sem fricção sobre a pele, ajuda a não aumentar o dano causado pelo veneno e ainda remove os resíduos dos tentáculos – explica a presidente da SBD-RS, Taciana Dal'Forno Dini.

Outras medidas a serem tomadas logo após a queimadura objetivam a diminuição dos sintomas. Várias substâncias já foram estudadas, porém as com maior evidência científica são a aplicação local de vinagre ou bicarbonato de sódio, que pode ser diluído em água do mar, e/ou imersão da região corporal afetada em água morna.

Após o alívio dos primeiros sintomas da queimadura, a pessoa atingida pode continuar apresentando dor, ardência ou coceira leves a moderadas do local. Estes sintomas podem ser aliviados com o uso oral de analgésicos. Geralmente a pele queimada permanece vermelha ou rosada por alguns dias, sendo importante a proteção solar adequada, para não ocorrerem manchas residuais.

Um dermatologista deve ser consultado para esclarecimento e prescrição de terapia adequada para alívio de sintomas mais intensos ou no caso de complicações.

Redação: Marcelo Matusiak
Coordenação: Marcelo Matusiak

  • Cuidados na praia
    (Marcelo Matusiak)

Leia também...

24.01.2020
Após 13 anos de queda, número de casos de hanseníase no Brasil voltou a crescer em 2017 e 2018

Último domingo do mês de janeiro (26/01) marca o Dia Nacional de Combate e Prevenção à doença

20.01.2020

Consulta pública debate novos tratamentos para tratamento do câncer de pele

Participação no processo é incentivada pela Sociedade Brasileira de Dermatologia - Secção RS

17.01.2020

Sociedades de especialidades debatem com CFM risco de procedimentos feitos por não-médicos

Encontro foi realizado na sede do Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Sul (CREMERS)

14.01.2020

Medicina avança no tratamento do câncer de pele

Opinião: Médica associada da Sociedade Brasileira de Dermatologia - Secção RS, Suzana Hampe

Entre em contato