Capa

SPRS Press Releases

Debate sobre gravidez na adolescência reforça papel do pediatra no diálogo com pacientes e família

Proposta do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos sobre a indicação da abstinência como método eletivo para prevenção de situações de risco à saúde sexual e reprodutiva gerou discordâncias

28.01.2020  |  395 visualizações

A prevenção da gravidez em adolescentes tem sido alvo de debates, em virtude do anúncio feito pelo Governo Federal da política a ser estabelecida na campanha prevista para início de fevereiro. O ponto polêmico é o foco da abordagem com a recomendação de que os adolescentes devem adiar o início das relações sexuais.

A médica pediatra e do Comitê de Adolescência da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul (SPRS), Lilian Day Hagel, reforça a importância que o tema seja debatido no âmbito familiar, nas escolas e nas ações públicas que envolvem o assunto. A Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul (SPRS) reitera o posicionamento da Sociedade Brasileira de Pediatria, com a visão de que a prescrição dos métodos de anticoncepção deve ser feita de maneira ética e responsável, avaliando a compreensão e maturidade da adolescente; apresentando-se todos os métodos aos adolescentes e como funcionam; avaliar contraindicações; o pediatra esclarecer sobre o corpo e desenvolvimento bem com responder às dúvidas dos adolescentes e seus familiares quando houver; e sempre enfatizar a necessidade de dupla proteção com o método anticoncepcional associado ao preservativo.

Muitas vezes a gravidez na adolescência é fruto de uma situação de violência sexual e em outras vezes é planejada por falta de outro plano de futuro e na tentativa de resolução de uma situação de vulnerabilidade social e psicológica. Por esta questão a idade não é razão para atrasar o uso de métodos anticoncepcionais e as questões comportamentais e sociais devem ser consideradas de modo individualizado pelos pediatras. Os contraceptivos podem ser divididos em hormonais e não hormonais. Os não hormonais dividem-se em comportamentais, mecânicos e os de barreira e estão detalhados em documento específico da SBP.

Posicionamento da SBP

Em documento publicado no site da SBP, são disponibilizados dados que reforçam a importância do tema. Dentre os problemas de saúde nessa faixa etária, a gravidez sobressai em quase todos os países e em especial, nos países em desenvolvimento. A taxa de gestação na adolescência no Brasil é alta para a América Latina, com 400 mil casos/ano. Quanto à faixa etária, dados do Ministério da Saúde revelam que em 2014 nasceram 28.244 filhos de meninas entre 10 e 14 anos e 534.364 crianças de mães com idades entre 15 e 19 anos. Esses dados são significativos e requerem medidas urgentes de planejamento e ações, e de políticas públicas voltadas amplamente para esta questão.

Por tudo isso, a gravidez na adolescência tem sido identificada pela OMS como um grave problema de saúde pública e um fator predisponente para a perpetuação do ciclo de pobreza.

Explicando mais minuciosamente, quando se debate a prevenção da gravidez na adolescência, há a possibilidade de várias abordagens: recomendação para abstinência sexual exclusivamente, retardando o início da vida sexual (programas abstinence-only) e orientação para abstinência associada à educação e ao acesso ao uso de contraceptivos (programas abstinence-plus) com utilização de métodos hormonais e preservativos. Várias críticas têm sido feitas ao programa americano que estimula unicamente a abstinência sexual entre as adolescentes até o casamento, tanto pelo alto custo (175 milhões de dólares/ano) como pela baixa eficácia de resultados. Outro fato a ser discutido é que esses programas não instruem as  adolescentes quanto ao uso de preservativos ou contraceptivos, sendo, portanto, considerados  uma violação aos direitos humanos.

A Lei nº 13.798 instituiu a Semana Nacional de Prevenção da Gravidez na Adolescência. A medida passa a vigorar no Art. 8º do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e será celebrada, anualmente, na semana que incluir o dia 1º de fevereiro.

Redação: Marcelo Matusiak
Coordenação: Marcelo Matusiak

  • Gravidez
    (Freepik)

Leia também...

25.03.2020

O que fazer com as crianças?

Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul incentiva a criação de rotina e uso da criatividade para que filhos passem pelo período de isolamento social da melhor maneira possível

24.03.2020

Adiado para setembro XII Congresso Gaúcho de Atualização em Pediatria

Encontro é realizado pela Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul (SPRS)

17.03.2020

Crianças são de baixo risco para coronavírus mas transmissoras do vírus

Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul recomenda que evitem o contato das crianças sintomáticas com avós e avôs

06.03.2020

O Mico Preto da Saúde

Nota Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul - Fechamento do Serviço Materno-Infantil do Hospital São Lucas

Entre em contato