Capa

SPRS Press Releases

O Mico Preto da Saúde

Nota Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul - Fechamento do Serviço Materno-Infantil do Hospital São Lucas

06.03.2020  |  1.005 visualizações

Talvez nosso imaginário ainda seja capaz de relembrar um popular jogo de cartas infantil denominado Mico-Preto. Os jogadores passavam suas cartas com o objetivo de formar pares e no final era derrotado aquele que ficava com a figura do Mico, a única carta que não era capaz de formar par. A pediatria de nosso país tem sido tratada como o Mico Preto da saúde.

Num cenário de custos elevados e subfinanciamento dos serviços prestados, as Instituições de saúde buscam alternativas para viabilizar a sobrevivência. Assim, a especialidade responsável pelo cuidado dos zero aos 18 anos, que demanda custos adicionais por aspectos de qualidade e proteção inerentes à idade e que ainda necessita de um quantitativo número de leitos clínicos por características de suas doenças, mesmo com todos avanços na área da prevenção, padece. A nossa pediatria possui poucos atrativos financeiros para que existam investimentos reais capazes de garantir sustentabilidade.

A Sociedade Brasileira de Pediatria tem chamado atenção para o problema, sinalizando para a diminuição quantitativa do número de leitos que prestam assistência às crianças dentro de nosso país. Em Porto Alegre o fenômeno também é observado. Dados do CNES apontam redução de 20% dos leitos hospitalares infantis nos últimos 15 anos. Mesmo que não estejamos familiarizados com números, podemos enxergar alguns movimentos que podem ilustrar na prática este cenário.

O Hospital Ernesto Dornelles deixou de atender crianças em regime de pronto-atendimento já há algum tempo, o Hospital Materno Infantil Presidente Vargas, viu seu status de modelo assistencial da época ser sucateado e, de longe, capaz de ser comparado a capacidade assistencial de outras épocas, o Hospital da Criança Santo Antônio modificou seu modelo assistencial de Emergência e, discute-se hoje, a possibilidade de que o Serviço Materno-Infantil do Hospital São Lucas deixe de existir, da maneira como sempre se caracterizou, uma Instituição de excelência em ensino, pesquisa e assistência.

Necessitamos de um novo regramento, de uma visão focada na saúde de nossas crianças. Todas as políticas de proteção voltadas para faixa etária parecem estar dissociadas desses fatos. A pediatria não pode ser o Mico Preto das Instituições, que muitas vezes têm sido forçadas a modificarem seus modelos assistenciais para garantir a sua própria saúde. Este é um jogo em que o Mico é de todos e, se não for assim, todos perdem.

Presidente da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul (SPRS), Sérgio Luis Amantea.

 

 

  • Presidente da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul, Sérgio Luis Amantea
    (Marcelo Matusiak)

Leia também...

25.03.2020

O que fazer com as crianças?

Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul incentiva a criação de rotina e uso da criatividade para que filhos passem pelo período de isolamento social da melhor maneira possível

24.03.2020

Adiado para setembro XII Congresso Gaúcho de Atualização em Pediatria

Encontro é realizado pela Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul (SPRS)

17.03.2020

Crianças são de baixo risco para coronavírus mas transmissoras do vírus

Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul recomenda que evitem o contato das crianças sintomáticas com avós e avôs

24.02.2020

Em que casos a água salgada ajuda e em que casos a água salgada pode prejudicar um ferimento?

Orientação aos pais nessa época de veraneio nas praias é fundamental para evitar transtornos com as crianças

Entre em contato