Capa

AMRIGS Press Releases

Entidades médicas reagem com indignação a possível fechamento da área materno-infantil do São Lucas

Mobilização contrária ao encerramento das atividades conta com apoio da AMRIGS, CREMERS e SIMERS

09.03.2020  |  353 visualizações

A especulação sobre o possível fechamento do serviço materno-infantil do Hospital São Lucas da PUCRS causa perplexidade e indignação nos líderes das três entidades que representam a classe médica no Rio Grande do Sul. Durante a tarde desta segunda-feira (09/03), o tema foi tratado em uma entrevista coletiva realizada na sede do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS).

“Temos tido o apoio e a sensibilidade de várias entidades nacionais preocupadas com o assunto. A Associação Médica Brasileira (AMB) se uniu às entidades gaúchas e recebemos também a informação de que a Associação Brasileira de Cirurgia Pediátrica está muito preocupada com o assunto em questão, uma vez que o Hospital São Lucas da PUCRS realiza mais de mil e quinhentas cirurgias pediátricas por ano”, afirmou o presidente da Associação Médica do Rio Grande do Sul, Alfredo Floro Cantalice Neto.

Para o presidente do SIMERS, Marcelo Marsillac Matias, a crítica é a forma como a qual um assunto de tanta relevância vem sendo tratado.

“Não se pode tomar uma atitude como essa que muda integralmente uma rede de assistência a população sem que seja discutido com todos os entes. Envolve médicos, estudantes, mas também toda a população”, alertou.

O presidente do Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Sul (CREMERS), Eduardo Trindade, defendeu que sejam estudadas outras formas de superar o problema que vem sendo alegado pela instituição que seria a baixa rentabilidade do serviço.

“Existem outras formas de vencer essa suposta crise econômica que é alegada e não dá para acreditar que o fechamento é a única solução. É uma pauta que não interessa só aos médicos, mas a toda a sociedade gaúcha, que teria um enorme prejuízo. Estamos falando de um polo de formação de recursos humanos que é fundamental por tratar-se de um hospital-escola”, disse.

O hospital atende pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS), particulares e convênios. Possui um setor que, entre outros serviços, faz partos e conta com leitos de UTI neonatal e pediátrica. Atualmente, tem cerca de 70 médicos residentes e 600 alunos.

Redação: Marcelo Matusiak
Coordenação: Marcelo Matusiak

  • Problema afetaria a população como um todo
    (Marcelo Matusiak)

  • Em coletiva, líderes das entidades manifestaram preocupação
    (Marcelo Matusiak)

  • Presidente da AMRIGS, Alfredo Floro Cantalice Neto
    (Marcelo Matusiak)

  • Situação preocupa estudantes e residentes
    (Marcelo Matusiak)

  • Entidades defendem busca de uma solução diferente para o problema
    (Marcelo Matusiak)

  • Líderes das três entidades
    (Marcelo Matusiak)

Leia também...

25.03.2020

Nota Oficial AMRIGS: Coronavírus e o pronunciamento do Presidente da República

Presidente da AMRIGS, Alfredo Floro Cantalice Neto

24.03.2020

Coronavírus: todos devem falar a mesma língua

Associação Médica do Rio Grande do Sul (AMRIGS) orienta população que tenha cautela com o excesso de informação e notícias falsas envolvendo o coronavírus

23.03.2020

Governantes: salvem os hospitais!

Artigo de Opinião: Luiz Carlos Corrêa da Silva / Luciano M. Corrêa da Silva - Médicos Pneumologistas. Fumo Zero AMRIGS. Academia Sul-Rio-Grandense de Medicina

20.03.2020

Heróis em meio a pandemia

Artigo de Opinião: Presidente da AMRIGS, Alfredo Floro Cantalice Neto

Entre em contato