Capa

Atílio Dengo Advogados

Cobrança do DIFAL para empresas do Simples Nacional poderá ser afastada pelo STF

É possível apontar que há grandes chances de os contribuintes se sagrarem vitoriosos nessa demanda e obtenham o direito à restituição dos valores indevidamente recolhidos

14.07.2020  |  246 visualizações

A matéria se encontra para julgamento no Supremo Tribunal Federal (Tema em repercussão geral nº 517 – RE 970.821), sendo que o objeto do recurso é justamente uma lei estadual que instituiu a exigência do DIFAL (alíquota interestadual e a interna de ICMS do estado destino da mercadoria ou serviço) em aquisições interestaduais realizadas por optantes do Simples Nacional, no Estado do Rio Grande do Sul).

Segundo o especialista em Direito Tributário e sócio do escritório Atílio Dengo Advogados, Rafael Paiani, a exigência é inconstitucional. Pela análise, os contribuintes têm direito à restituição dos valores indevidamente recolhidos nos últimos cinco anos. De acordo com o especialista, há incompatibilidade com a cobrança em face à previsão constitucional de tratamento diferenciado e favorecido às Micro Empresas (ME) e às Empresas de Pequeno Porte (EPP), bem como à violação ao princípio da não-cumulatividade.

O STF iniciou o julgamento dessa matéria em 2018. Dos onze ministros que compõe o Tribunal, quatro já julgaram de forma contrária à cobrança (Ministros Alexandre de Moraes, Roberto Barroso, Cármen Lúcia e Ricardo Lewandowski) e, apenas, um a favor (Edson Fachin). Atualmente, o processo se encontra com pedido de vistas ao Min. Gilmar Mendes. O aspecto positivo - para os contribuintes - é que este ministro já julgou matéria similar no passado, quando se posicionou no sentido de suspender a cobrança do DIFAL, instituída pelo estado do Pará, das empresas optantes pelos Simples Nacional. Na ocasião, referiu que essa exigência implicaria em “consequências gravosas ao funcionamento das micro e pequenas empresas” e que seria incompatível com “as finalidades do Simples Nacinal”. Logo, ao que tudo indica, Gilmar Mendes irá também votar pela inconstitucionalidade da lei gaúcha.

Por tanto, considerando que restam ainda seis votos (entre eles, o do Ministro Gilmar Mendes) e que bastam mais dois votos para afastar a exigência do DIFAL das micro e pequenas empresas, é possível apontar que há grandes chances de os contribuintes se sagrarem vitoriosos nessa demanda e obtenham o direito à restituição dos valores indevidamente recolhidos. Há que se destacar, ainda, que o Procurador Geral da República emitiu parecer pela inconstitucionalidade da cobrança.

“Por outro lado, devemos atentar a quem poderá vir a se beneficiar dessa decisão. Isso porque, muito tem se discutido a respeito da tendência dos julgados do STF, em matéria tributária, em modular seus efeitos diante das consequências econômicas aos cofres públicos. Exemplo disso, foi o julgamento do Supremo (RE 560.626) que declarou inconstitucional os prazos, decadencial e prescricional, das contribuições da seguridade social. Na oportunidade, a decisão fez prevalecer o prazo previsto no CTN de cinco anos (a lei federal previa ser de 10 anos), mas os efeitos da decisão (direito à restituição) se limitaram apenas àqueles contribuintes que ajuizaram demandas antes da data da conclusão daquele julgamento”, afirma Rafael Paiani.

No caso da inexigibilidade do DIFAL em relação às empresas optantes pelo Simples Nacional, em 2018 se estimava que havia mais de 330 recursos (inúmeras ações coletivas ajuizadas por associações comerciais) que estavam suspensos aguardando a decisão do STF, na sistemática da Repercussão Geral. Considerando a situação econômica vivida por nosso Estado (agravada diante da pandemia), não é demais imaginar que o STF irá limitar os efeitos da decisão de afastamento do DIFAL e, consequentemente, de restituição dos valores indevidamente recolhidos, apenas às empresas que tenham ajuizado demanda antes da conclusão do julgamento.

Redação: Marcelo Matusiak
Coordenação: Marcelo Matusiak

  • DIFAL
    (Divulgação)

Leia também...

31.07.2020

O fim da MP 927 que flexibilizava as relações de trabalho e suas consequências

Advogado especialista em direito do trabalho e sócio do escritório Atílio Dengo Advogados Associados, Alexandre Bastos esclarece como ficam diversos aspectos da legislação trabalhista

28.07.2020

Projeto de Lei permite adesão de empresas do Simples Nacional à Transação Tributária

Artigo de Opinião: Lucas Ferreira, advogado especialista em Direito Tributário e sócio do escritório Atílio Dengo Advogados

22.07.2020

Portaria autoriza as empresas a recontratarem empregados dispensados dentro de noventas dias

Nova norma revoga a regra vigente desde 1992 (Portaria 384/92), a qual estipulava que colaboradores demitidos sem justa causa só poderia ser readmitidos após transcorrido o prazo de 90 dias, sob pena de infração prevista na Lei 8.036/90

20.07.2020

A prorrogação dos acordos de suspensão do contrato de trabalho e redução salarial

Opinião: Alexandre Bastos, advogado especializado em Direito do Trabalho e sócio do escritório Atílio Dengo Advogados Associados

Entre em contato