Capa

SPRS Press Releases

O que muda com a chegada de um irmão

O nascimento de um segundo filho altera toda a dinâmica familiar

11.09.2020  |  258 visualizações

Se por um lado, a chegada de um bebê traz felicidade, há alguns sentimentos que podem provocar angústia nos pais e no irmão mais velho. Na vida adulta a relação de irmãos também é impactante podendo contar com casos de um amor inexplicável e identificação entre ambos, assim como ser fruto de atritos familiares.

Os estudos na área não são tão frequentes, mas reflexões filosóficas e psicanalíticas ajudam a entender qual a importância do vínculo e desafios a serem abordados no âmbito familiar. O pediatra do Desenvolvimento e Comportamento da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul, Renato Santos Coelho, destaca um dos sentimentos mais comuns quando é criado o vínculo entre irmão que é o ciúme, questão trazida inúmeras vezes pelos pais nos consultórios médicos.

"O ciúme é um sentimento universal e humano e não pode ser evitado. O irmão que diz que não tem ciúme algum, pode na verdade estar negando. O irmão mais velho sempre foi o centro das atenções e viveu a experiência de ser o único. O segundo, terceiro ou quarto filho nunca passou por isso, então a maneira como cada um vai lidar é diferente. Tudo vai depender do temperamento da criança. Recomendo aos pais não dizer para criança que ela não pode ter ciúmes. Ao invés disso, dizer que entende o filho e compreende o sentimento se dispondo a ajudar", afirma o pediatra do Desenvolvimento e Comportamento da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul, Renato Santos Coelho.

O médico destaca outro um fenômeno cultural. A tradição antiga era de famílias numerosas. Na sociedade contemporânea o número de irmão diminuiu muito. Há famílias com menos irmãos e muitos filhos únicos.

"Há experiências muito boas entre irmãos, na qual se tornam amigos inseparáveis para o resto da vida trazendo cumplicidade. Por outro lado, não dá para esquecer que há muitos casos de problemas familiares entre irmãos. Um alerta é para que o pensamento romântico e clássico de que os pais sempre vão gostar dos filhos da mesma maneira pode ser interpretado de maneira diferente. O sentimento de gostar dos filhos é pra todos, mas nenhum pai ou mãe precisa se sentir culpado por ter uma sintonia ou identificação maior com um determinado filho”, completa Renato.

Por fim, o cenário atual está acentuando alguns problemas por conta do confinamento nas residências. A pandemia colocou todo mundo dentro de casa e nessa hora as diferenças se acentuam.

"Assim como aconteceram casos de problemas entre casais, os problemas entre irmão se acentuaram. É preciso cooperação e respeito para que todos passem por essa situação”, finaliza o médico.

Redação e coordenação: Marcelo Matusiak

  • Nascimento de um novo filho e o vínculo de irmão
    (Cegonha Imagens)

  • Vínculo de irmãos
    (Freepik)

Leia também...

25.09.2020

Uma atenção especial aos jovens e adolescentes na pandemia

Orientação da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul (SPRS) é de muito diálogo e atenção dos pais

19.09.2020

Tratamentos e inovações no diagnóstico de doenças são debatidos por pediatras em Congresso Virtual

XII Congresso Gaúcho de Atualização em Pediatria foi promovido de forma online pela Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul

18.09.2020

Congresso Gaúcho de Atualização em Pediatria debate alimentação e hábitos saudáveis de vida

Temas fizeram parte do primeiro dia do evento realizado de forma online

18.09.2020

Campanha combate movimento anti-vacina

Lançamento ocorreu durante o XII Congresso Gaúcho de Atualização em Pediatria realizado de forma online

Entre em contato