Capa

SPRS Press Releases

Pediatras reforçam importância de atividades físicas e alimentação saudável para crianças

Preocupação, veio à tona com o longo período de distanciamento social no qual as crianças tiveram de ficar por um tempo muito maior em casa

23.10.2020  |  612 visualizações

A obesidade é um dos distúrbios nutricionais mais prevalentes entre crianças e adolescentes, em todos os países. A obesidade tem origem multifatorial e resulta da associação de fatores genéticos e ambientais. A pediatra e nutróloga integrante do comitê de nutrologia da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul, Claudia Hallal Alves Gazal, ressalta que entre os fatores de risco modificáveis para o aumento dos casos de obesidade infantil nos últimos anos, estão as modificações do estilo de vida das famílias e da sociedade incluindo a inatividade física, a alimentação não saudável, modificações nos padrão do sono, entre outros.

“É importante ressaltar que devemos prevenir a ocorrência da obesidade infantil identificando crianças mais vulneráveis. O pediatra deve monitorar as curvas de crescimento desde o nascimento com intuito de identificar precocemente modificações no ganho de peso e índice de massa corporal (IMC)”, afirma.

Durante muitos anos, houve um esforço para que as crianças permanecessem menos tempo em frente às telas, porém no cenário do distanciamento social este cuidado ficou prejudicado.

“A recomendação segue para evitar exposição a “tela” para crianças com menos de 2 anos de idade e nas crianças maiores restringir a no máximo 2 horas por dia. Esta ideia baseia-se na associação com obesidade, padrão sono irregular, piora nos hábitos alimentares além de retardo desenvolvimento linguagem e cognitivo. Com a necessidade do distanciamento social, a exposição a “telas” deve ser monitorada para não exceder estas recomendações. Isto é possível através da manutenção de rotina saudável de acordo com a faixa etária da criança e adolescente”, completa.

Entre os cuidados a serem estabelecidos está a inclusão de horários estabelecidos para refeições (incluindo desjejum), horários para atividades recreativas de acordo com faixa etária (lazer ativo – jogar bola, andar bicicleta, dançar, pular corda, “amarelinha” entre outras), horários para atividades de leitura em livros impressos, horário para os estudos escolares, horários para uso de “telas” e, também, horário para dormir garantindo um adequado tempo e qualidade do sono. A diminuição na duração do sono é associada ao desenvolvimento da obesidade. Crianças de 1 a 5 anos precisam cerca de 10 a 14 horas por dia, dos 6 aos 13 aos cerca de 9 a 11 horas por dia enquanto adolescentes devem dormir de 8 a 10 horas por dia.

Alimentação

De acordo com a pediatra e nutróloga integrante do comitê de nutrologia da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul, Claudia Hallal Alves Gazal, seguindo a “regra de ouro” do Guia Alimentar para População Brasileira publicada pelo Ministério da Saúde deve-se sempre preferir alimentos in natura ou minimamente processados e preparações culinárias a alimentos ultraprocessados.

Para que seja seguida esta regra é fundamental o engajamento dos pais ou cuidadores para um planejamento da alimentação semanal da família. Nas compras de mercado ou feiras incluir alimentos in natura ou minimamente processados que serão consumidos nas refeições através de preparações caseiras! Como feijões, lentilhas, arroz, carnes, ovos, leite, legumes, verduras e frutas da estação.

Já os alimentos processados são adicionados geralmente sal ou açúcar ou outra substância de uso culinário aos alimentos in natura para torná-los duráveis e mais agradáveis ao paladar. O consumo destes alimentos deve ser limitado pois os métodos de processamento utilizados na fabricação alteram de modo desfavorável a composição nutricional.

Os alimentos ultraprocessados feitos em geral por indústrias de grande porte envolvem diversas etapas e técnicas de processamento e muitos ingredientes, incluindo sal, açúcar, óleos e gorduras e substâncias de uso exclusivamente industrial. Estes ingredientes dão cor, sabor, aroma, textura e durabilidade o que diminui geralmente o custo. Estes “alimentos” devem ser evitados na alimentação infantil pois alteram o paladar e podem levar a um hábito alimentar desfavorável.
Forma prática de distinguir alimentos ultraprocessados é consultar a lista de ingredientes, a presença de um número elevado de ingredientes (frequentemente cinco ou mais) e de ingredientes com nomes pouco familiares, não usados em preparações culinárias caseiras.

Fatores de Risco:

Crianças vulneráveis:
Pais obesos
Prematuros
Pequeno para a idade gestacional (PIG)
Grande para idade gestacional (GIG)
Interrupção precoce do aleitamento materno
Diabetes gestacional materna
História familiar de diabetes
Alimentação e merenda escolar inadequada
Ansiedade materna, mãe jovem

Redação e coordenação: Marcelo Matusiak

  • Prática de esportes é fundamental
    (Marcelo Matusiak)

  • Alimentação saudável
    (Marcelo Matusiak)

Leia também...

31.03.2021

O Impacto do isolamento para crianças com Transtornos de Espectro Autista

Sociedade de Pediatria RS alerta para a importância do Dia Mundial de Conscientização Sobre o Autismo

12.03.2021

Telas e crianças: uma necessidade atual mas que exige cuidado

Sociedade de Pediatria alerta sobre uso frequente de aparelhos eletrônicos e sugere pausas durante as aulas

09.03.2021

Nota Oficial - Sociedade de Pediatria do RS - Fechamento das escolas

-

10.02.2021

ONG Doutorzinhos amplia atendimentos online

Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul destaca importância do projeto

Entre em contato