Capa

SBD-RS Press Releases

Diagnóstico tardio é um dos maiores desafios a serem superados no tratamento da hanseníase

Ultimo domingo de janeiro marcou o Dia Mundial contra a Hanseníase

31.01.2021  |  170 visualizações

Dados preliminares do Ministério da Saúde apontam que, em 2019, houve o aparecimento de 23 mil novos casos de hanseníase no país. Segundo a SBD-RS, o Rio Grande do Sul tem poucos casos se comprado com o resto do Brasil, porém um dado que chama atenção é o maior número de casos de diagnóstico tardio, o que dificulta o tratamento e faz com que mais pacientes tenham incapacidades físicas decorrentes do acometimento do sistema nervoso periférico.

“Este é um dado preocupante no Rio Grande do Sul. Embora sejamos o estado com menor número de novos casos infectados, há um diagnóstico tardio. O RS tem três vezes mais pacientes que iniciam o tratamento medicamentoso já com algum comprometimento”, explica a médica dermatologista especialista em Hansenologia pela Sociedade Brasileira de Hansenologia, médica da Equipe de Hanseníase do Ambulatório de Dermatologia Sanitária do Rio Grande do Sul e Doutora em Gerontologia Biomédica da PUCRS, Letícia Eidt.

A hanseníase é uma doença infecciosa e contagiosa causada pelo bacilo Mycobacterium leprae. Afeta a pele e os nervos periféricos, ocasionando lesões neurais, conferindo à doença um alto poder incapacitante.

O papel do dermatologista no acompanhamento dos casos é fundamental, uma vez que as fases iniciais da doença se manifestam muito por lesões cutâneas.

“Se diagnosticado na fase inicial não há risco de evoluir para casos mais graves. O tratamento é disponível na rede pública. Porto Alegre tem uma particularidade que alguns médicos em seus consultórios particulares são capacitados pela vigilância e podem atender pacientes através de seu convênio, porém com encaminhamento de forma gratuita”, completou a médica.

Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), foram 312 mil novos casos registrados nos últimos dez anos, o que coloca o Brasil na segunda posição no ranking mundial da doença, atrás apenas da Índia.

Redação e coordenação: Marcelo Matusiak

 

Leia também...

06.04.2021

Lançada Campanha Hora D: o Dermato tá ON!

Participação é gratuita e oferece temas ligadas relacionados aos cuidados com a pele, cabelos e unhas

16.03.2021

As conexões na relação entre pele e emoções

Sociedade Brasileira de Dermatologia - Secção RS (SBD-RS) alerta para os sinais e transtornos decorrentes de fatores emocionais

11.03.2021

Estresse é uma das causas mais frequentes de queda de cabelo no momento

Fenômeno está cientificamente ligado a queda de cabelo, cientificamente chamada alopécia androgenética

26.02.2021

Dermatologistas comemoram inclusão de três doenças dermatológicas na cobertura dos planos de saúde

Sociedade Brasileira de Dermatologia - Secção RS (SBD-RS) destaca importância da medida no tratamento de pacientes

Entre em contato