Capa

SBGM

População deve estar atenta aos riscos da realização de testes genéticos diretos ao consumidor

Os problemas são a metodologia usada e a forma como os dados são interpretados

18.02.2021  |  216 visualizações

Tanto no Brasil como em outros países os testes genéticos, antes realizados somente por laboratórios especializados, passaram a ser feitos de forma barata, rápida e direta pelos consumidores, sem aconselhamento genético prévio.

O principal alerta da Sociedade Brasileira de Genética Médica e Genômica (SBGM) é de que as análises são superficiais e não conseguem identificar todos os genes ou alterações genéticas relacionadas a determinadas situações clínicas. Por conta disso, as famílias podem deixar de obter diagnósticos de doenças importantes.

“A sensibilidade e capacidade de detecção de alterações genéticas é diferente e menor nesses testes direto ao consumidor. Muitas vezes há um resultado positivo, mas ele é incompleto no sentido de que não enxerga possíveis alterações que podem existir. O outro problema é não seguir adiante com uma investigação. Ainda há o risco de ter um resultado que chamamos de falso negativo”, explica a médica geneticista e associada da SBGM, Patricia Ashton Prolla.

A médica explica que os testes genéticos diretos ao consumidor vão avaliar diversas questões. Uma delas é a chamada "recreativa", que são análises da ancestralidade e composição étnica, podendo avaliar traços físicos, chances de ter pêlos em determinadas partes do corpo ou predisposição a algumas doenças. Os testes podem ser feitos através de coleta de sangue ou saliva.

Outro alerta é que algumas vezes o paciente acaba obtendo uma série de informações que, sem uma análise profissional especializada, não farão sentido ou não serão úteis ou podem fazer uma interpretação equivocada e até causar danos à saúde.

“Em um processo chamado aconselhamento genético, o médico geneticista explica benefícios, riscos e transmite uma orientação para que a pessoa possa ter uma tomada de decisão adequada. Na ausência de uma consulta prévia com um especialista, o paciente pode ter uma reação negativa ou inesperada ao resultado sem saber quais medidas irá adotar”, completa a médica.

O tema é recente e há pouca regulamentação tanto no Brasil como no exterior para os laboratórios que vendem teste genético direto ao consumidor.

Redação e coordenação: Marcelo Matusiak

  • Genética
    (Freepik)

Leia também...

08.04.2021

Testes Genéticos Direto ao Consumidor preocupam especialistas

Antes do procedimento, SBGM recomenda buscar um médico geneticista capacitado

07.04.2021

Projeto de Lei amplia o número doenças rastreadas pelo Teste do Pezinho

Segundo SBGM, a possibilidade de ampliação das doenças na triagem neonatal é um desejo antigo da classe médica

01.04.2021

SBGM reforça os cuidados com a disseminação das novas variantes do coronavírus

Entidade defende manutenção do isolamento social, aplicação das vacinas com maior velocidade e barrar tratamentos que não sejam cientificamente comprovados

18.03.2021

Concurso selecionará logomarca para os 35 anos da Sociedade Brasileira de Genética Médica e Genômica

Produção será usada em toda a divulgação do evento comemorativo de 35 anos da Sociedade Brasileira de Genética Médica e Genômica (SBGM), incluindo mídia, redes sociais,  material timbrado, cartazes, entre outros

Entre em contato