Capa

AMRIGS Press Releases

Ciclo de Palestras AMRIGS alerta para importância da prevenção do câncer colorretal

Evento virtual contou com participação de membros da Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva Secção RS e Associação Gaúcha de Coloproctologia

24.03.2021  |  258 visualizações

Nesta terça-feira (23/03), a Associação Médica do Rio Grande do Sul realizou mais uma edição gratuita do Ciclo de Palestras AMRIGS, desta vez com o tema “Março Azul-Marinho: Câncer Colorretal”, visto que 27 de março é o Dia Nacional de Combate ao Câncer de Intestino. A iniciativa serve como alerta para a população sobre a importância da prevenção do câncer colorretal, tipo que abrange os tumores com início no intestino grosso.

O evento virtual contou com a mediação da médica gastroenterologista, Cristina Flores, e com o apoio da Associação Gaúcha de Coloproctologia (AGCP), da Sociedade Gaúcha de Gastroenterologia (SGG) e da Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva Secção RS (SOBED-RS).

Segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca) por meio do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) vinculado ao Ministério da Saúde, no Brasil, estimam-se, para cada ano do triênio de 2020-2022, 20.540 casos de câncer de cólon e reto em homens e 20.470 em mulheres. Esses números correspondem a um risco estimado de 19,64 casos novos a cada 100 mil homens e de 19,03 para cada 100 mil mulheres.

Para o médico gastroenterologista e presidente da Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva - RS (SOBED-RS), Ari Ben-Hur Stefani Leão, o maior desafio no atual momento, é disseminar o conhecimento sobre o assunto e desmistificar os métodos de rastreamento do câncer colorretal, como a colonoscopia, que permite diagnósticos e o tratamento de lesões cancerígenas precoces.

“Hoje, no Brasil, não há uma política pública de rastreamento do câncer colorretal estabelecida para a nossa realidade nacional. Precisamos que as políticas sejam abertas e o papel de todos os profissionais da saúde é ampliar o conhecimento de boa qualidade para que nossos pacientes tenham o direito de ter esclarecimentos sobre o que é e como prevenir este tipo de câncer”, defendeu.

O especialista explicou que os métodos de rastreamento variam entre pacientes de riscos médio, aumentado ou alto risco. A população em geral possui risco médio e, conforme é proposto pela Associação Americana do Câncer (American Cancer Society), é recomendado que estas pessoas iniciem o rastreio regular aos 45 anos de idade. Segundo ele, dos pacientes que fizeram o rastreamento precoce de câncer colorretal, cerca de 70% a 90% tiveram redução de morte.

“Essa faixa etária varia de acordo com a orientação profissional, questões epidemiológicas locais e características populacionais. Pessoas que possuem histórico familiar de síndromes de câncer colorretal hereditárias ou de doença inflamatória intestinal, possuem alto risco. Por isso, é necessário que façam o rastreamento o mais cedo possível”, alertou.

A médica coloproctologista e membro da Associação Gaúcha de Coloproctologia (AGCP), Karen Delacoste Pires Mallmann, observou que, de um modo geral, a evolução do câncer colorretal demora cerca de dez anos, desde a transformação de um pólipo avançado para um câncer estabelecido e que as questões culturais também influenciam no processo.

“A região Sul possui maior frequência de câncer colorretal devido à alimentação marcada por embutidos e carnes vermelhas. A incidência é semelhante à da população europeia, que apresenta excesso de peso, sedentarismo, tabagismo e alto consumo de álcool. O mais importante é analisar a vida do paciente para ter bons resultados, pois a carga genética vai continuar com ele. Mesmo curado, por exemplo, terá que fazer revisões”, disse.

O câncer colorretal é uma doença de alta incidência e seu desenvolvimento pode ser gradual e não apresentar sintomas. Por isso, os especialistas recomendam o exame diagnóstico precoce e atenção no caso de apresentar sintomas como alterações no ritmo intestinal, dores abdominais e inchaço do abdômen, cansaço, perda de apetite e emagrecimento.

Redação: Fernanda Calegaro
Coordenação: Marcelo Matusiak

  • Dra. Karen Delacoste Pires Mal participou da conferência sobre câncer colorretal
    (Divulgação)

  • Dr. Ari Ben-Hur Stefani Leão participou da conferência sobre câncer colorretal
    (Divulgação)

Leia também...

17.05.2021

Caravana Digital AMRIGS debate cenário para gestantes e recém-nascidos no atendimento de COVID-19

Evento gratuito ocorre a partir das 19h da terça-feira (18/05) com transmissão online

14.05.2021

Projeto em parceria da AMRIGS com a 2Day Consultoria vai arrecadar donativos para o IVS

Objetivo do programa Imob Solidário - Construindo Cidades Sem Fome é arrecadar alimentos, produtos de higiene pessoal de limpeza, através de parceiros imobiliários e incorporadores

12.05.2021

Lançamento de livro apresenta e discute princípios fundamentais e situação atual da videocirurgia

Evento acontecerá de forma online, via Sympla Streaming na quinta-feira (13/05) às 19h

11.05.2021

Novo Sistema de Distanciamento do RS é avaliado pela AMRIGS

Entidade avalia mudanças no cenário de restrições para conter a pandemia de COVID- 19 em encontro com líderes do executivo municipal e estadual

Entre em contato